domingo, setembro 05, 2010

O que você faria no lugar do Latino e Axl Rose?

No início desta semana, Latino sofreu uma agressão no palco durante um show em Brasília. Ele cantava em um evento no qual uma banda de rock também ia se apresentar e, por isso, o público presente era bem diferente do seu estilo. O cantor acabou sendo agredido pela plateia com garrafadas.

O mesmo aconteceu com Axl Rose, vocalista da banda Guns N’ Roses, na última quarta-feira. Os músicos pararam de tocar a pedido do cantor, depois que levou garrafadas logo na primeira música que cantava.

E já que o assunto aqui é “Atualidades”, vamos repercutir o fato. Perguntamos a três artistas se já passaram por uma situação como essa, e se não, o que fariam no lugar do Latino e Axl Rose. Luan Santana, Tico Santa Cruz e Alinne Rosa responderam:

TICO SANTA CRUZ – vocalista do Detonautas e Raimundos: “Primeiro, vale a pena deixar claro que foi um grande equívoco misturar estilos tão diferentes no mesmo momento, por mais que exista uma diversidade cultural que deva ser respeitada. Já passei por algumas situações complicadas. Recentemente, em um show do Detonautas, um indivíduo foi para frente do palco e ficou fazendo gestos obscenos, se aproximou e cuspiu no meu rosto. Parei o show e o questionei. Em seguida o recomendei a repensar o comportamento, caso o contrário seria retirado. É óbvio que minha postura de enfrentamento neste caso não é recomendável numa situação semelhante a que passou o cantor em questão. O melhor que o Latino fez foi se retirar para evitar transtornos maiores.”

Tico ainda aproveitou para relembrar a vez em que Carlinhos Brown passou por uma situação semelhante: “O Público de Rock não é domesticável e nem aceita qualquer mistura. Não adianta tentar enfrentar, Carlinhos Brown no Rock in Rio 3 passou por algo semelhante e é um grande articulador e artista. O melhor a fazer é se sair tranqüilo e evitar maiores problemas”, completou o vocalista do Detonautas Roque Clube.

Abaixo as opiniões de Luan Santana e Alinne Rosa.
LUAN SANTANA – cantor: “Já passei por uma situação dessas, sim. Não jogaram coisas em mim, mas vaiaram o show. Isso aconteceu no interior do Mato Grosso do Sul, quando estava começando. Eu me lembro que eu estava subindo no palco e ia tocar antes de outra banda, só que a galera queria ouvir a banda logo. Aí eu falei, ‘agora vou fazer a saideira aqui’ e o povo começou a me vaiar! É ruim demais. É a pior coisa você estar ali cantando, achando que a galera está curtindo e de repente a galera te vaia… caiu o mundo pra mim.”

ALINNE ROSA – vocalista da banda Cheiro de Amor: Olha, isso nunca aconteceu comigo, graças a Deus! É uma situação delicada porque se a gente é convidado para tocar num lugar, é porque querem ouvir nosso som. Acho que antes de qualquer coisa é necessário respeito pelo ser humano, então, se alguém da plateia acompanhou, como no caso de Latino, um show anterior de rock e não curtia o som dele, o certo seria sair e respeitar as pessoas que foram ali para curtir. Se acontecesse comigo e a organização conseguisse resolver, tirando do local os baderneiros, eu continuaria o show, mas se fosse algo que representasse um risco para a gente, eu também pararia”.

Fonte: Ai5Piaui.com