sexta-feira, julho 29, 2011

Back in Black - Detonautas Roque Clube - pt7

Tico postou em seu blog o que saiu sobre o DRC na revista Billboard Brasil e para complementar colocou a entrevista para a revista na integra, segue abaixo. O post original está no blog do Tico, aqui.

Complementando:
Só achei que fosse uma boa oportunidade dos seguidores terem acesso a uma entrevista completa e uma matéria que poderia ter sido completa.
Por @Ticostacruz
O que saiu na Revista:



Se eu quero calar o HAPPY ROCK?

Recebi um pedido de entrevista para a revista de musica Billboard Brasil. (@BillboardBrasil )  Achei o tema pertinente, e as perguntas feitas pelo Jornalista Henrique ( não sei o sobrenome ), que assina como HC, eram bem interessantes. Achei que fossem publicar a entrevista inteira, mas publicaram somente este conteúdo que esta nesta página da Revista, a seguir.

Então, decidi publicar as perguntas e minhas respostas na íntegra para que assim fizesse jus aos questionamentos do Jornalista e minha abordagem aparecesse completa.

Sabemos que por falta de espaços, eventualmente uma boa entrevista pode ficar de fora. Aqui temos espaços a vontade e você pode ler tudo sem se preocupar com o quantidade de caracteres.

Se eu quero calar o HAPPY ROCK?

E a minha entrevista na íntegra:

A música é um recado para alguém específico? Está se referindo ao chamado Happy Rock?
Antes de tudo a musica é uma brincadeira que foi criada durante uma viagem longa de ônibus. Conversando sobre a cena rock que foi dominada por uma geração com propósitos um pouco diferentes do que entendemos como Rock. Trata da infantilização de um estilo que sempre se colocou como opção de entretenimento e contestação. De ídolos que cobram ingressos para tirar fotos com fãs adolescentes e crianças. De Ícones que estão interessados apenas em gerar notícias para sites de “celebridades”, terem Fama e Glamour e do não comprometimento de seus representantes com o que possam fazer além dos autógrafos e fotos por seus fãs quase cegos.

A letra começa com “querem me calar” – o que quer dizer com isso? Quem quer te calar e porquê?
Por conta de minhas opiniões políticas e a respeito dos métodos utilizados por alguns veículos de comunicação dos quais já fui colaborador e participante, percebemos que a perda da minha inocência como artista e da representatividade, que pode ser negativa para uns ou positiva para outros, o Detonautas acabou sendo afastado de espaços importantes. Em qualquer ambiente de trabalho existem grupos que se identificam mais, que se relacionam melhor, que compartilham de opiniões semelhantes e geralmente quem não compactua com isso e se posiciona, acaba sendo isolado. Muitos artistas passaram por isso, só não tiveram a internet em seus Períodos para fazer algum barulho. Se não desaparecemos completamente, foi porque conseguimos criar caminhos que não dependem mais de uma postura de clemência. Embora tenhamos total discernimento de que estes meios de comunicação tem todo o direito de usar o que lhe for mais conveniente para seus lucros. Nós usamos e somos usados, sem culpa ou pecado. Se os espaços não se abrem, nós temos que lutar para abri-los.

Você quer calar o happy rock?
Calar soa como Censura. Não tenho a menor intenção de calar ninguém, apenas de oferecer um outro caminho. Existem centenas de bandas com tanta qualidade quanto a que é oferecida pelos Happy Rockers e não usufruem dos espaços por conta de um monopólio exagerado. No Brasil, sempre existiu espaço para tudo, mas a ânsia de se aproveitar de um público consumidor sem senso crítico, multiplica uma atitude que pode se voltar contra os próprios admiradores do Happy Rock, quando não forem mais úteis para seus empresários, receberão um chute na bunda e vão perambular estigmatizados. A pergunta é O Happy Rock esta dizendo o que?

Vocês usaram a base original da música do AC/DC, certo? Porque não regravar?
Veja como é fácil emular as coisas hoje em dia. Nós gravamos a base. O som é do Detonautas. Entramos no estúdio e reproduzimos a base exatamente igual a original. Para tirar a Duvida, basta colocar a nossa e a do AC/DC tocando ao mesmo tempo e verificar que existe uma diferença entre elas, o Ac/Dc não usou Metrônomo para gravar e nós fizemos a nossa versão sem intermitências de tempo. Logo, é nítido que a informação que circula não se preocupa em avaliar se a fonte é verdadeira.

O que achou das críticas?
No momento em que disponibilizamos a faixa, tínhamos consciência de que as criticas viriam. O que nos confundiu foi o fato de ver misturados os fãs Tradicionalistas do Ac/Dc que se incomodaram com a utilização da base e gente que se identificou com a letra e usou do argumento de “clássico do Rock” Imaculado, para ofender e diminuir nossa opinião. Pesquisei o perfil de grande parte dos críticos, observando seus Twitters e outras redes sociais, e o que percebi foi que muitos deles, sequer conhecem o trabalho do Ac/Dc. Mas, aceitamos todas elas numa boa, como achamos que a nossa critica deveria ser aceita.

Não teve receio de mexer com um clássico do rock?
O Próprio Rock não prega o desafio? Não prega a ideologia do risco, da ousadia?

Ter receio de mexer com um clássico é ignorar o que os nossos ídolos do Rock sempre mostraram com suas musicas e atitudes. O Rock não é isso também?
Outras bandas fizeram versões com a base do Back in Black, Por que a do Detonautas gerou tanta polêmica? Preciso parar para pensar nisso melhor.

A música está na internet com o nome original do AC/DC. Ela tem um nome diferente?
Não pensamos em nenhum nome, mandamos o pedido de autorização formal para sua utilização, estamos no aguardo. Os únicos que tem competência para julgar se temos o direito ou não de usar o instrumental são os donos da musica. Os outros estão apenas manifestando suas opiniões pessoais.

Ela vai estar no próximo álbum da banda?
Não pensamos nisso ainda. Precisamos de autorização e temos muitas outras musicas compostas que tem prioridade. O Objetivo dela era a brincadeira, o Viral na Internet. Esse foi alcançado com Sucesso.

Fica de bônus o nosso novo som - #Combate que você pode ouvir e baixar a vontade.