terça-feira, julho 19, 2011

Entrevista com Renato Rocha

Em nova fase, Detonautas agitam Mogi
NA CIDADE A banda Detonautas se apresenta na noite de hoje, a partir das 22 horas, na Boom Box
Mariana Nepomuceno

Desde que começaram na música a banda Detonautas Roque Clube tem feito da internet uma de suas principais aliadas na hora de divulgar o trabalho. No momento, ela é de suma importância, já que o grupo formado por Tico Santa Cruz (vocal), Fábio (bateria), Cléston (DJ), Renato Rocha (guitarra), Tchello (baixo) e Philippe Fernandes (guitarra) está trabalhando de forma 100% independente. Sem contrato com qualquer gravadora, eles iniciaram um projeto que prevê o lançamento de canções inéditas pela web. Esse trabalho depois resultará em um CD.

Além desta novidade 2011 promete ser um ano marcante na carreira dos artistas. É que no dia 2 de outubro eles se apresentam no ‘Rock in Rio’, mesma data do show de Guns N’Roses, uma das influências do grupo. Em entrevista a O Diário, o guitarrista Renato fala sobre as novidades do Detonautas e o show que a banda fará esta noite na Boom Box Club, a partir das 22 horas. Confira

Vocês estão com um novo projeto que prevê o lançamento de músicas, gratuitamente, pela internet. Como é isso exatamente?
Como agora somos novamente uma banda 100% independente, ou seja, não temos mais contratos com gravadoras, produzimos nossas músicas no nosso estúdio – www.mobiliaspace.com.br – e lançaremos via internet uma por uma até o Rock in Rio.

Vão lançar um CD também?
Pretendemos lançar um EP com 5 músicas até setembro e depois com mais 5 prontas, lançaremos outro.  Após essas etapas, faremos um CD compilando esses dois Eps mais algumas inéditas para aqueles que quiserem ter tudo em um CD só, com encarte legal, fotos, ficha técnica, etc...

A ligação da banda com a internet vem desde o começo do grupo não é? De que forma essa ferramenta contribui para o sucesso de vocês?
A internet é a nossa linha direta com quem gosta e acompanha a banda e ouve o nosso som. Com a explosão das redes sociais, a gente consegue 100 mil audições de uma música nova em poucos dias, por exemplo. Como nascemos nesse ambiente virtual, nada mais justo do que abusarmos dele para divulgarmos nosso trabalho e nos aproximarmos dos nossos fãs e amigos.

Vocês, junto a outros grupos, fazem parte de uma safra do rock brasileiro que surgiu no final dos anos 90 e começo dos anos 2000. O que mudou desde essa época e como analisam esse cenário hoje?
Talvez tenhamos sido uma das últimas bandas a fazer parte ainda do formato antigo de gravadora e tudo o que vem a partir disso. Lançamos 3 discos e 1 DVD pela Warner e 2 discos e 1 DVD pela Sony e nesse meio tempo o cenário foi se transformando, principalmente com o crescimento da internet, com fenômenos cada vez mais frequentes e efêmeros. Hoje me parece mais difícil uma banda nova se estabelecer com tanta oferta disponível. Não vou entrar no mérito da qualidade da música apresentada, mas fica claro que como a tecnologia está acessível a todos muito lixo também é produzido. Cabe ao ouvinte selecionar e buscar aquilo que mais lhe agrada. Daí a estabelecer uma carreira com prestígio e viver dessa carreira há uma distância enorme. Muita coisa ainda vai acontecer, o rádio ainda é muito forte, principalmente nos interiores. TV idem. Mas as gravadoras continuam em declínio acentuado, já que tentam entrar no mercado de shows sem conhecimento nenhum, sem o dinheiro de outrora, com uma máquina muito lenta e burocrática. Música boa sempre existirá, basta manter o foco e trabalhar bastante para mostrar a cara.

Atualmente vemos que artistas têm conquistado fãs com uma mistura de gêneros musicais. Há fenômenos como o Luan Santana, por exemplo, que mesclam o sertanejo com pop e por aí vai. O que vocês acham desses novos ‘estilos’?
Fazemos parte do rock nacional, tocamos aquilo que acreditamos e sentimos ser a nossa verdade, independentemente de modismos ou estilos. Os fãs percebem isso e nos apoiam pela nossa integridade artística. Em qualquer movimento ou "onda" musical, algum artista acaba representando o estilo e se estabelece. Muitos outros desistem no meio desse caminho... O teste do tempo é indiscutível. Não importa o estilo, a moda, o que quer que seja, a longevidade artística só acontecerá para aqueles que tiverem algo a dizer e a oferecer. Senão o povo se cansa e parte para outra...

Vocês sempre tiveram uma preocupação com as letras das músicas, que tratam da sociedade, comportamento... Vocês acreditam na música como uma ferramenta de transformação social?
A música tem esse poder sim, mas não necessariamente tem que ser SÓ com essa finalidade. A veia social existe na nossa banda, tendo como principal figura o nosso vocalista. O Tico escreve as letras e trabalha em outros projetos, como o ‘Voluntários da Pátria’, nessa frente de mobilização social, ações e questionamento sobre os problemas da nossa sociedade. Participamos também todos, em níveis diferentes, dessa frente e a banda acaba sendo um motor propulsor de tudo o que nos cerca. O Rock tem essa vertente questionadora, rebelde, que infelizmente hoje anda muito de lado. Sentimos falta de mais artistas metendo o dedo nas feridas do nosso País. A gente tem o poder de falar para muitas pessoas e seria interessante haver um equilíbrio nesses aspectos. Podemos falar de curtição, da noite, de sexo, mas devemos também falar de hipocrisia, de corrupção, de impunidade, etc... Só pose não adianta.

Vocês vão estar no Rock in Rio e vi no site que apresentarão algo bem diferente. Seria o lado B da banda?
Não será um show lado B. Vamos pinçar algumas músicas que tenham essa característica e que se encaixem no clima de rock que o dia 2 de outubro promete ser. Mas incluiremos os hits da banda sim, vai ser um show intenso e está sendo muito aguardado por nós e pelos nossos fãs!!!

E como será o show em Mogi das Cruzes?
Faremos o show que temos feito ultimamente. Testando algumas novidades, como "Sexo Tântrico" e "Um Cara de Sorte", que estarão nessa nova safra de músicas, tocando aquelas que não podem ficar de fora do nosso repertório, incluindo alguma releitura e já puxando alguns lados B que não tocamos há algum tempo, justamente pensando no Rock in Rio. O "Bem e o Mal" é uma das antigas que está voltando ao set list... Aproveito para deixar o nosso site www.detonautas.com.br  e o nosso twitter - @detonautasRC para quem quiser acompanhar a banda mais de perto. Temos nossa página no facebook também e todos os links estão na primeira página do nosso site. Viva o rock nacional!!!!

Fonte/Crédito: O Diário