quarta-feira, fevereiro 05, 2014

A ironia de Rodrigo Constantino

Quem é Rodrigo Constantino? Pois é até ontem, muitos nunca tinham ouvido falar dele e de repente viraram odiadores ferrenhos. Enfim, detalhes a parte eu só acho que: quem fala o que quer, ouve o que não quer. E afinal isso não deveria incomodar porque afinal ele diz que é "um liberal sem medo da polêmica".

Recado a um tal de Tico Santa Cruz
04/02/2014 às 14:33 \ Cultura, Lei e ordem

Recebo de um amigo um texto em forma de desabafo escrito por um tal de Tico Santa Cruz, cantor de uma banda chamada Detonautas (dei um Google: perdão pela ignorância, mas acho que a última banda brasileira de rock que escutei deve ter sido os Engenheiros do Havaí, pois prefiro mesmo escutar Iron Maiden e Dream Theater, já que o tempo é curto).

O rapaz fala muito palavrão, demonstra muita raiva, culpa tudo e todos pelos males do Brasil, só não parece culpar mesmo os bandidos. Esses são “vítimas do sistema”, pelo que pude perceber. Adota, ainda, aquela visão de que o verdadeiro criminoso não está nas ruas. Diz ele:

O criminoso profissional, jamais é cercado ou atingido pelos “justiceiros”. O Criminoso profissional é o que mata com canetas, papéis e não com facas ou revolveres.

Eu não creio que sejam coisas excludentes, e poderia jurar que um marginal que arrasta uma criança presa no carro durante o assalto é um criminoso profissional, um verme da pior espécie. O cantor tem visão diferente, não acha que este é um criminoso profissional de verdade.

Em seguida, o músico passa a quase justificar as barbáries desses criminosos que ele não julga profissionais:

Ou seja, se eu tenho uma vida de merda, se não fui ensinado a me desenvolver como ser humano, se não recebi amor, carinho, respeito, dignidade, desde que vim ao mundo… Por que deveria ter algum tipo de compaixão, amor, respeito ou preocupação com os demais que convivem comigo em sociedade.

Ninguém vai negar que o ambiente tem muita influência, que a miséria em nada ajuda, que as famílias desestruturadas por aí são verdadeiras fontes de marginais. Mas precisamos, também, valorizar o livre-arbítrio, pois sabemos que muitos – a maioria – que nascem no mesmo meio não se tornam assassinos ou bandidos. Essa visão do cantor, predominante na nossa esquerda, chega a ser ofensiva àqueles que vêm da pobreza, mas vivem de forma digna.

Tico Santa Cruz levanta, em seguida, o perigo dos “justiceiros”. Com esta parte eu concordo, como pode ser visto aqui. Diz ele:

O perigo dos “Justiceiros” é que eles podem começar a crer que como não há justiça nesse país, que então possam vir a decidir qual é o modelo de atuação que vão aderir e hoje começam prendendo ladrões em postes, amanhã decidem que é justo espancar homossexuais porque isso é contra a família Brasileira, na semana que vem resolvem que vão limpar as ruas dos drogados, e a sociedade dando o apoio que precisam, aos poucos os Justiceiros começam a ditar o padrão do que é certo e o que é errado, e chega um momento em que, como as autoridades não funcionam, eles passam a ser a referência de a quem devemos recorrer para nos vingar do que está errado socialmente nesta cidade, neste país.

Mas eis que o músico resolve partir para o ataque… à minha pessoa! Isso mesmo, ele acha que gente como eu é parte do problema. Diz ele:

Um tal de Rodrigo Constantino, criou um termo muito utilizado por gente que sente desprezo e preguiça de entender que tudo que acontece nesse país é fruto de nossa omissão como cidadãos. Ele provoca a “esquerda Caviar” talhando em pedra de mármore seu próprio túmulo. Porque a menos que ele e seus seguidores resolvam se isolar em ilhas, condomínios de luxo onde são prisioneiros de seus próprios dogmas egoístas, confundindo liberalismo, comunismo, socialismo e outros ismos – esquecendo que somos parte de uma engrenagem que alimenta o TODO. E que não é virando as costas e anunciando aos quatro continentes que não tem responsabilidade com relação ao quadro social que estamos vivendo, que vamos resolver as questões pertinentes a esse assunto. 
Não se trata de uma doutrina política, se trata de uma doutrina humana. 
Vivemos em SOCIEDADE, OU SEJA, SOMOS SÓCIOS – querendo você ou não. Somos co-responsáveis, embora seja mais fácil sempre colocar a culpa no outro.

Colocar a culpa no outro é exatamente o que faz Tico nesse texto. Quanto ao “um tal de Rodrigo”, eu não lhe culpo pelo desconhecimento. Assim como não escuto “rock” nacional, ele tem todo o direito de não ler o GLOBO ou a Veja. Talvez se “informe” lendo aquela revista que vive de verba estatal, vai saber! Mas criticar o uso do termo “esquerda caviar” sem ter lido, aí já é demais! Não posso deixar essa passar.

Caro Tico, leia o livro! Em momento algum defendo que as pessoas simplesmente “virem as costas” e anunciem que não têm responsabilidade por nada. Aliás, veja este vídeo meu mais antigo antes:



Como fica claro, não acho que as elites estão isentas de culpa pela situação caótica em que vivemos. Ao contrário! O Esquerda Caviar é uma dura e impiedosa acusação às elites que pregam o socialismo fracassado e as bandeiras politicamente corretas que acabam estimulando o caos!

A elite que retira a responsabilidade do indivíduo criminoso, por exemplo, tem parcela de culpa. A elite que defende mais e mais estado, impedindo o desenvolvimento econômico, tem parcela de culpa. A elite que vota no PT tem parcela de culpa. A elite que consome cocaína nas festinhas que enaltecem Che Guevara tem parcela de culpa. A elite tem muita culpa, como pode ver.

Só não vou estender a responsabilidade aos cidadãos decentes, ordeiros, trabalhadores, que sequer votam no PT. Essa visão é coletivista e injusta. Não, o rapaz de classe média que dá duro em trabalho honesto, que enfrenta o calvário dos transportes públicos brasileiros, que não defende o PT, e que gosta de seu futebol ou sua novela nos momentos de lazer, esse não tem culpa do caos. Mas é ele que Marilena Chauí, ícone da esquerda, odeia.

É um ódio, Tico, fora de lugar. O dela e o seu. Odeiam as pessoas erradas. Amam as causas erradas. Sim, o brasileiro é, na média, muito passivo, acomodado. Mas vamos mirar nos alvos certos. Vamos combater o excesso de estado, a cultura do “coitadismo”, a impunidade. Esse é o caminho para melhorar a situação, objetivo que, tenho certeza, é também o seu.

Procure se informar melhor. Verá que seu ódio precisa ser alimentado por mais conhecimento e reflexão racional também. Caso contrário, será fonte apenas de uma metralhadora giratória que acerta muitos inocentes.

PS: Vou até (tentar) escutar suas músicas para reduzir meu desconhecimento “cultural”, mas só se você prometer passar a ler o GLOBO ou a Veja de vez em quando…

PS2: Mande lembranças ao Teco!

Rodrigo Constantino

RESPOSTA A RODRIGO CONSTANTINO. 

O Rodrigo Constantino respondeu no seu Blog na Revista Veja, o meu Texto sobre O Garoto negro preso num poste e os Justiceiros. 

Caro Rodrigo Constantino. Já vi debates seus em Hang out com outros "enfurecidos" contra o PT. Não estou aqui "Partidarizando" a questão social. Minha questão transcende os ataques ao PT. Porque a meu ver essa situação é muito mais profunda e de um teor histórico bem mais antigo que a gestão do PT, que também não atende as minhas expectativas - embora eu tenha votado no Partido no passado - mas que dilui toda a argumentação quando se pauta por uma visão bipolar ( Capitalismo x Comunismo/Socialismo). Na conclusão de seu texto, você justifica tudo como se a culpa de todos os problemas sociais desse país se resumisse a quem votou no PT e retira a responsabilidade social e cidadã de quem não escolheu no PT seus representantes, que é um trabalhador de bem, que paga seus impostos e que sofre os problemas da violência. 

Meu texto, deixa bem claro, que não há "coitadismos" - inclusive alerta que uma vez que o indivíduo assume o ato de roubar ou cometer crimes, ele esta disponível para sofrer as consequências. (Que a Justiça deveria oferecer). Parte editada competentemente para induzir os seus leitores a achar que estou pregando "coitadismo". 

Sejam elas quais forem, neste país sem Justiça. Justiça = Quem comete crime - deve ser punido sendo pobre ou rico e nós SABEMOS Constantino que nesse país não tem RICOS NA CADEIA. Ou seja, as leis e os justiceiros estão sempre a disposição de punir os pobres, negros e favelados. Pouco me importa a elite da "esquerda Caviar" ou a "Direita do Atum" ambos estão inseridos no coletivismo SIM, pois nossa sociedade é fruto das ações coletivas as quais de 4 em 4 anos, nós assumimos como responsabilidade na hora de determinar nossos representantes. E quando a Direta Atum e a Esquerda Caviar se aliam na falta de comprometimento com as raízes dos Problemas sociais que enfrentamos. Somos TODOS co-responsáveis pelo quadro. Se você é um respeitável analista econômico que prega o liberalismo e não tenho porque discutir sobre isso com você, sugiro que estude sim, um pouco de sociologia, antropologia, ciências sociais de modo em geral, não para pagar de "politicamente correto" mas para entender o que é um estado "politicamente Humano". 

O Bandido Profissional é formado no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas, bancado pela INICIATIVA PRIVADA para que possa defender, através de seus recolhimentos de campanha, um Estado que se exime das responsabilidades garantidas por lei a todos os cidadãos. Nós dois, e mais o Brasil inteiro, estamos no mesmo barco. Seja para comer o Caviar ou o Atum. Pois, você e eu querendo ou não - SOMOS SÓCIOS.


Se sou sócio compulsório de Tico Santa Cruz, quero minha parte na Lei Rouanet!
04/02/2014 às 16:04 \ Cultura, Lei e ordem

O cantor Tico Santa Cruz já escreveu sua tréplica, sem rebater meus argumentos ou reconhecer seu profundo desconhecimento do que seja a esquerda caviar, a qual, diga-se de passagem, ele faz parte. Vamos lá:

Caro Rodrigo Constantino. Já vi debates seus em Hang out com outros “enfurecidos” contra o PT. Não estou aqui “Partidarizando” a questão social. Minha questão transcende os ataques ao PT. Porque a meu ver essa situação é muito mais profunda e de um teor histórico bem mais antigo que a gestão do PT, que também não atende as minhas expectativas – embora eu tenha votado no Partido no passado – mas que dilui toda a argumentação quando se pauta por uma visão bipolar ( Capitalismo x Comunismo/Socialismo) .

Caro Tico (agora que não somos mais desconhecidos um do outro), tampouco acho eu que o PT é a fonte de todos os males. Aliás, se você tivesse lido o livro Esquerda Caviar que criticou, saberia que sobram críticas ao PSDB também, e que o problema é bem mais profundo: é cultural, de mentalidade, do esquerdismo hegemônico há décadas no Brasil. O PT é “apenas” o pior deles, e ao contrário de você, posso afirmar com consciência limpa que nunca recebeu meu voto.

Sobre a “bipolaridade” entre capitalismo e comunismo, bem, que tal comparar Suíça com Cuba, Estados Unidos com Coreia do Norte, Austrália com Venezuela? Se não te parece um contraste de proporções gigantescas, então use óculos. Logo, o problema passa, sim, pela dicotomia capitalismo vs socialismo. Um gera riqueza, o outro escravidão e miséria. Eu prefiro riqueza. E você?

Sejam elas quais forem, neste país sem Justiça. Justiça = Quem comete crime – deve ser punido sendo pobre ou rico e nós SABEMOS Constantino que nesse país não tem RICOS NA CADEIA. Ou seja, as leis e os justiceiros estão sempre a disposição de punir os pobres, negros e favelados.

Esse discurso é uma meia verdade usada para contar uma mentira. Como eu disse, a impunidade é o grande problema, e isso precisa mudar. Mas se os mais pobres, “favelados e negros”, cometem mais crimes, então haverá mais presos com este perfil. Elementar.

No mais, lembre-se de que até o milionário José Dirceu está preso hoje! As coisas podem estar começando a mudar. Assim espero. Também quero ver todos os bandidos na cadeia, independentemente da renda ou da cor da pele. É assim que deve ser: império das leis.

Pouco me importa a elite da “esquerda Caviar” ou a “Direita do Atum” ambos estão inseridos no coletivismo SIM, pois nossa sociedade é fruto das ações coletivas as quais de 4 em 4 anos, nós assumimos como responsabilidade na hora de determinar nossos representantes.

Aqui você faz uma confusão básica: mistura coletivo com coletivismo. Pensar no coletivo é louvável; defender o coletivismo, não. Coletivismo é colocar entidades abstratas acima de indivíduos de carne e osso, é pensar que “nação” justifica sacrificar pessoas reais, é acreditar que “raça” merece mais atenção do que indivíduos.

Sobre o voto, é uma humilde arma que temos, sim. Eu a tenho usado sempre, para escolher o menos pior (ou seja, nunca votei no PT, como já disse). Perdoe-me se eu estiver enganado, mas leitores disseram que você não votou em uma eleição pois participava do programa “Fazenda”, tendo esse tipo de “debate” abaixo. Confere?


E quando a Direta Atum e a Esquerda Caviar se aliam na falta de comprometimento com as raízes dos Problemas sociais que enfrentamos. Somos TODOS co-responsáveis pelo quadro. Se você é um respeitável analista econômico que prega o liberalismo e não tenho porque discutir sobre isso com você, sugiro que estude sim, um pouco de sociologia, antropologia, ciências sociais de modo em geral, não para pagar de “politicamente correto” mas para entender o que é um estado “politicamente Humano”.

Mas meu caro, focar nas raízes do problema é justamente o que venho fazendo há anos! E não sei o que seria esse tal “estado politicamente Humano”, mas volto aos exemplos de cima: Suíça ou Cuba? Estados Unidos ou Coreia do Norte? Austrália ou Venezuela? Faça sua escolha dicotômica. Eu acho que o primeiro grupo tem um “estado politicamente Humano” superior…

O Bandido Profissional é formado no Congresso Nacional e nas Assembléias legislativas, bancado pela INICIATIVA PRIVADA para que possa defender, através de seus recolhimentos de campnaha, um Estado que se exime das responsabilidades garantidas por lei a todos os cidadãos. Nós dois, e mais o Brasil inteiro, estamos no mesmo barco. Seja para comer o Caviar ou o Atum. Pois, você e eu querendo ou não – SOMOS SÓCIOS.

O bandido profissional é formado nas ruas, na vida, por escolhas erradas, bancado por crimes contra a iniciativa privada. Estamos no mesmo barco, concordo. Quero justamente mudar o rumo desse barco, que hoje navega rapidamente em direção a um iceberg enorme.

Agora, se, como você diz, somos mesmo SÓCIOS, tenho apenas uma pergunta a lhe fazer: onde está minha parte nessa Lei Rouanet que te beneficiou via estado, ou seja, meus impostos?

Claudia Leitte, Rita Lee, Humberto Gessinger e a banda Detonautas estão entre os músicos famosos com projetos aprovados no começo deste mês pelo Ministério da Cultura para captar recursos pela Lei Rouanet. Entre as mais de 500 propostas com aval para buscar patrocínio também estão a dupla sertaneja Yago & Juliano e a banda cover The Brazilian Pink Floyd. Além de música, também são incentivadas ações culturais nas categorias de artes cênicas, visuais, audiovisual, patrimônio e humanidades.

Tico, já que sou seu sócio compulsório, peço apenas minha parte de volta. É muito duro trabalhar até maio só para pagar impostos, sabe? Eu também gostaria de ter benefícios fiscais de R$ 1 milhão, mas acho difícil o governo me conceder esta mamata, digo, auxílio cultural. Conto com sua consideração.

Abraços, sócio!

Fonte: Rodrigo Constantino - Blog/ Veja

Constantino - PROVE QUE RECEBI DINHEIRO DA LEI ROUANET OU admita que você sequer usa fontes seguras para fazer suas "crônicas".

Rodrigo Constantino pelo visto ainda não conseguiu entender meu ponto de vista. Mas não vou tirá-lo de analfabeto funcional. Talvez ele apenas esteja compulsoriamente defendendo suas ideologias. O que, dica-se de passagem - é democrático e saudável para a sociedade.

O que Rodrigo Constantino não pode é perder a razão e a credibilidade de seu conceituado espaço na revista Veja. De modo que seria mais JUSTO, com seus leitores e consequentemente com o DEBATE, que Rodrigo Constantino escolhesse melhor suas fontes. De fato, na última eleição estava participando de um Reality Show, o que a meu ver não desmerece minha atuação como ativista ou como artista. Essa pobre argumentação usada para diminuir minha credibilidade por ter participado do tal programa de TV, só mostra que seus argumentos contra mim, são bem fracos. No mais, tenho 36 anos e voto desde de que me foi dado esse direito. No meu texto (caso não tenha lido, eu comentei que votei no PT NO PASSADO E NÃO NAS ÚLTIMAS ELEIÇÕES).

Porém isso é o de menos. O mais grave em suas colocações que saíram do campo do debate POLÍTICO E SOCIAL e partiram para os ataques pessoais, foi irresponsavelmente me ACUSAR DE TER RECEBIDO DINHEIRO DA LEI ROUANET. E agora, caro Rodrigo Constantino, já que somos SÓCIOS, lhe desafio publicamente a COMPROVAR que recebi - UM CENTAVO QUE SEJA - DO DINHEIRO DESSA LEI. Acho que entramos nesse momento numa questão delicada. É a credibilidade do seu espaço na REVISTA VEJA, sendo colocado a PROVA, para que você não aja como um irresponsável, fazendo acusações sem conhecimento. O que alias, não me soa estranho...

O Detonautas foi INSCRITO no Projeto da Lei Rouanet, por seu ANTIGO ESCRITÓRIO. E se na época, cogitamos utilizar a lei, depois chegamos a conclusão que isso serviria exatamente para que pessoas como você, usassem de tal argumento para nos atacar. Nós saímos do tal escritório e NUNCA RECEBEMOS NENHUM CENTAVO DA LEI a qual você quer uma parte dos recebimentos. Ou Seja, é melhor conhecer o assunto que critica e rever as acusações que faz.

Lhe desafio e desafio qualquer um de seus comentaristas a PROVAR QUE NÓS RECEBEMOS ESSA VERBA. E agora??? Vai provar?

Fonte: Tico - Facebook

Pedido de desculpas a Tico Santa Cruz
04/02/2014 às 21:31 \ Humor

Soube que o cantor Tico Santa Cruz me desafiou a provar que ele recebeu dinheiro pela Lei Rouanet. Vários de seus fãs invadiram meu blog para me xingar, cobrar a prova, ameaçar com processo ou coisa do tipo. São umas criaturas doces, esses abnegados defensores do povo oprimido. Calma, gente. Se ele diz que não recebeu, quem sou eu para duvidar?

Claro, não tenho como provar nada, pois não tenho poder para quebrar o sigilo bancário deles, não é mesmo? Mas acredito no cantor. Fica, portanto, registrado meu pedido de desculpas por esta acusação, apenas lembrando que usei como fonte o G1, da GLOBO. Como é que eu vou saber que os caras, depois da permissão oficial relatada pelo site, recusaram-se a meter a mão na grana?

Para isso eu teria de acompanhar as notícias sobre os Detonautas ou o Tico, algo que, por completa falta de tempo (e não de interesse, que fique claro), não faço. Talvez passe a fazer, agora que vi a capacidade intelectual do músico. Nem que eu tenha que ler menos, deixar para trás Theodore Dalrymple, Roger Scruton ou alguém do tipo, de menor estatura frente ao roqueiro.

Os Detonautas pediram autorização – e receberam – para usar até R$ 1 milhão pela Lei Roaunet. Eis o fato que soube e divulguei. Pelo que o cantor afirma, a reação dos próprios fãs foi tão forte contra a atitude que a banda voltou atrás e recusou a verba. Menos mal. Subiu no meu conceito, Tico! E confesso que não foi fácil, pois você já estava lá em cima…

Tive acesso ao comentário que o próprio Tico fez à época, sobre a matéria que citei:

Sendo assim, antes que joguem pedras ou venham reclamar sobre o fato de que nós conseguimos a APROVAÇÃO PARA CAPTAR ESSES RECURSOS – lembre-se ainda temos um longo caminho pela frente. Precisamos achar empresas que tenham interesse em INVESTIR NESSA TOUR E QUE QUEIRAM SER ALIADAS DO PROJETO – Alguns shows serão gratuitos e outros a preços populares como ESTÁ PREVISTO PELA LEI na concepção dessa iniciativa.

ESPERAMOS conseguir parceiros o quanto antes para COLOCÁ-LO EM PRÁTICA, certos de que estarão ALIANDO SUA MARCA A UMA BANDA HONESTA E QUE TRABALHA SOCIALMENTE E CULTURALMENTE com a JUVENTUDE DESSE PAÍS.

Espero que tenha ficado bem CLARO e torço para que outros artistas consigam também a captação para seus projetos.

Como se pode ver, um artista totalmente contrário ao uso da Lei Rounaet. Ainda bem! Seria uma decepção grande se ele aprovasse esse tipo de esquema ou “bolsa artista”.

Aos fãs que pensam em processo judicial o tempo todo, gostaria de mostrar apenas este trecho de um show dos Detonautas. Até a última vez que chequei o código penal, incitar violência e fazer ameaça de morte era crime. Mas não sou advogado (como também não sou jornalista), então posso estar completamente enganado. Vejam:



Havia muito fã ali delirando com a carinhosa ameaça. Seriam estes que invadem agora meu blog com belas palavras? Seriam estes que me acusam de não ter argumentos e não saber debater? Não saberia dizer. Por via das dúvidas, jogo a toalha e encerro o profundo e profícuo debate com Tico aqui. Se for preciso, até admito que levei uma surra intelectual. É que não me agrada a ideia de “debater” com uma turba de 10 mil fãs tão educados e civilizados…

PS: Caro Tico, já que minha área é economia e a sua ciências sociais, não teria a pretensão de lhe recomendar livros de sociólogos decentes (eles existem!), tais como Raymond Aron e Ralf Dahrendorf. Mas ainda bem que não seria preciso, pois naturalmente você já leu estes autores e está familiarizado com o conceito de anomia, por exemplo. É um bom conceito para definir nosso país, não acha? Bola pra frente, então!

Rodrigo Constantino

E encerrando, Tico no FB:

Fim da história.
Fez ironias, mas...
Arregou.
Para um cara arrogante como esse Constantino - pedir desculpas é a MORTE.