quarta-feira, junho 18, 2014

Entrevista Jovem Pan

Mais fotos, vídeo e áudio no link no final da matéria.

TICO SANTA CRUZ FALA DE MANIFESTAÇÕES POPULARES DO BRASIL: “VAI TER COPA, MAS NADA ALÉM DISSO”

Tico Santa Cruz, o vocalista da banda Detonautas Roque Clube, tem estado com a agenda cheia de compromissos. Em meio ao lançamento do novo álbum duplo, apenas de músicas inéditas, do grupo, ele ainda tem um novo projeto: o Rock’n House, que acontece no Clube A, em São Paulo, ao lado do ator Eriberto Leão e do músico Ivan Sader.

“O Detonautas faz shows em casas grandes e, às vezes, ficamos longe do público, este projeto permite chegar mais perto e mostra que a galera está abrindo espaço para o rock”, disse sobre as apresentações que ocorrerão uma vez por mês, com covers de clássicos nacionais e internacionais do gênero.

“O rock é fundamental para a mudança que queremos no país. A música que nós consumimos mostra a nossa cara. E só tem música idiota fazendo sucesso. Precisamos de algo que faz pensar para deixar as pessoas mais ativas”, completou Eriberto, para acrescentar, “Não somos um país sério”.

Nem todo mundo conhece o lado musical do ator, que está em cartaz com a peça “Jim”, que conta a história de Jim Morrisson. “Sempre tive projetos paralelos com a música. Toquei no Hip Monsters, banda do Gastão Moreira, que era da MTV. Adoro rock. Rock é muito mais que música, é atitude, é uma maneira de ver o mundo”, contou.

Mesmo diante de tanto trabalho, Tico não abandona uma de suas principais características, segundo o próprio: o engajamento político. Como não poderia deixar de ser, ele tinha muito a dizer sobre as recentes manifestações populares que tomaram conta do Brasil.

“Acho que o brasileiro melhorou bastante, sou ativista há muitos anos, era muito difícil você levar alguém para rua, de mobilizar. É legal ver que o povo está mais na rua, que hoje se discute política, mobilizações contra a Copa”, falou, empolgado.

Sobre a competição, Santa Cruz foi taxativo: “vai ter Copa, mas não vai ter mais nada além disso. Nunca é tarde para mostrar indignação, seria uma grande oportunidade, se tudo tivesse sido feito do jeito certo”.

(...)