segunda-feira, outubro 06, 2014

Sobre "Pólvora" - pt2

Romance e ação com cheiro de “Pólvora”; Confira entrevista com Tico Santa Cruz
Sexta, 03 de Outubro de 2014 - 16:15 - Fonte: Redação - Foto: Divulgação

Depois do sucesso de Clube da Insônia e Tesão, Tico Santa Cruz lança o seu primeiro romance policial, originalmente publicado na internet e que teve mais de 100 mil downloads: Pólvora. Se os outros livros já abordavam temas polêmicos, essa obra de ficção consegue ser ainda mais intrigante, com muito erotismo, suspense e diversas críticas sociais – o que não é novidade para quem conhece o tom de suas provocações.

A história já começa com muito sangue. Contada em primeira pessoa, pelo protagonista, as primeiras páginas narram o assalto dele com sua dupla (criminosa e sexual) formada com Lore há apenas duas semanas. Linda, provocante e misteriosa, a personagem rapidamente o envolve e, em meio a noites de sexo casual, eles decidem cair no mundo e viver sem leis.

Conforme narra os fatos da trama, ele volta ao passado para contar como tudo aconteceu e detalhar melhor o perfil dos personagens. A dupla ganha uma nova aliada, Milene, uma jovem de 24 anos que não trabalha, nem estuda e que acaba de passar por uma frustração amorosa e familiar. O irmão gostava de se oferecer para o namorado dela diante da avó, em estado vegetativo, e que, apesar de não conseguir falar nem se mexer, tinha consciência de tudo.

Em meio ao enredo, o livro é um confronto a diversos aspectos da sociedade. Nas palavras do autor, “Pólvora é uma ironia e uma crítica a várias questões no Brasil. Na verdade, os personagens vão passeando por cenários que misturam ficção e realidades sociais, religiosas, políticas, porém ilustrados de uma forma intensa, divertida e perigosa”.

As ilustrações são de Carlinhos Muller e o texto tem muito de Tico Santa Cruz. “Ele veio de dentro da minha mente. Não sou eu o personagem, mas tudo que foi imaginado para cada um deles passou por meus pensamentos e fantasias. Então de zero a 10 eu diria que é completamente Tico Santa Cruz, em nuances diferentes”, diz.

Para quem ficou curioso, o livro está à venda nas principais livrarias do país. No dia 12 de outubro Tico Santa Cruz já terá seu primeiro compromisso de lançamento: na Feira do Livro de Manaus (AM).

Confira entrevista  de Tico Santa Cruz sobre a nova obra.

A Crítica: O que Pólvora tem de relação com o Brasil atual?
Tico Santa Cruz: Pólvora é uma ironia e uma crítica a várias questões no Brasil. Na verdade, os personagens vão passeando por cenários que misturam ficção e realidades sociais, religiosas, políticas, porém ilustrados de uma forma intensa, divertida e perigosa.

A Crítica: Qual é sua inspiração para escrever?
Tico: Esse livro foi escrito em uma fase bem densa da minha vida. Muitos conflitos internos e experiências mundanas. Alguns trechos cheguei a buscar a mesma sensação que os personagens estavam sentindo. Como, por exemplo, me trancar em um banheiro sujo, sem luz, derretendo de suor para deixar a mente fluir. Não foi uma experiência simples. Minha terapeuta ficou preocupada com a minha sanidade.

A Crítica: Por que escrever uma trama policial?
Tico: Porque eu amo filmes policiais, principalmente os independentes, marginalizados, mais alternativos. Amo livro policiais também, mas é preciso ter muito cuidado para amarrar tudo direitinho. Alguns dão a impressão de que o autor se perdeu. Tive o cuidado de ir buscando elos em cada passagem para que as situações não fossem de acordo com o que o leitor pudesse supor que seriam. Um trabalho difícil, mas ainda pretendo me aprimorar mais.

A Crítica: Em uma escala de 0 a 10, qual é a parcela de "Tico Santa Cruz" que podemos encontrar no livro? Existe algum personagem baseado em você, ou que carregue algum ideal ou filosofia sua?
Tico: O livro veio de dentro da minha mente. Não sou eu o personagem, mas tudo que foi imaginado para cada um deles passou por meus pensamentos e fantasias. Então de zero a 10 eu diria que é completamente Tico Santa Cruz, em nuances diferentes. Agora, se me perguntar se algo desse livro já foi feito na minha vida real eu diria que de 0 a 10, talvez 5.

A Crítica: Esta é uma história que originalmente foi publicada na web e obteve mais de 100 mil downloads. Qual a expectativa para a versão impressa?
Tico: Minha expectativa é boa, embora eu tenha medo de criar expectativas. Na Web funcionou muito bem. Foram mais de 300 mil visualizações no blog que postei os capítulos. Então, se 1% desse pessoal tiver acesso ao livro, já ficarei muito feliz. Mas eu sonho em ver isso sendo filmado para o cinema... Será que estou viajando muito? Deixa o tempo dizer.

Fonte: A Crítica