segunda-feira, junho 06, 2011

A polêmica do camarim pago

Novidade ou não, o assunto voltou a pauta. A mim a única novidade dessa história toda foi saber que isso acontecia com alguma banda no Brasil, porque com as de fora não era novidade, tanto que eu mesma, entrei nessa onda para realizar o sonho de conhecer o Backstreet Boys - ninguém é perfeito mesmo :p - pelo menos  de todos os citados, o BSB é modesto e U$$500 é o pacote Platinum Vip, com direito a tour nos bastidores com um dos boys.

A notícia a baixo fala sobre isso e cita novamente a história do Tico com o Restart.

Fãs pagam até R$2 mil para encontrar ídolos no camarim
Produtoras de Britney Spears, Restart e outros famosos investem em pacotes especiais de ingressos.
Tatiana Regadas - Do EGO, no Rio

Vida de fã não é fácil. Para ficar perto de seus ídolos vale tudo: esperar por um aceno no aeroporto, chamar pelo nome na porta do hotel, dormir na fila do show e até gastar uma grana alta. Pensando em todo esse amor, empresários e produtores resolveram investir em passes especiais que dão direito, entre outras coisas, a encontros com os ídolos. Desde que, é claro, o fã esteja disposto a pagar.

Os ingressos para os shows de Paul McCartney no Rio se esgotaram em apenas um hora na internet, mas para quem quisesse uma experiência diferente era possível comprar ingressos para área VIP e para a passagem de som do ex-Beatle por R$ 2536,96. Em sua nova turnê, Britney Spears lançou um pacote especial que garante aos mais fanáticos um lugar na primeira fila do show e mais alguns mimos como livro da turnê autografado e entrada exclusiva.

A produção de Paul McCartney, responsável pela venda dos pacotes, não garantia na venda um encontro com o ídolo, mas simpático ele atendeu os fãs depois do ensaio nos dias de show no Rio. Uma sortuda ganhou até “Parabéns pra você” do músico. Já, segundo o site Just Jared, a decisão de adicionar ao pacote- que custa US$1 mil (cerca de R$1630)- um encontro com os fãs foi da própria Britney. 

Imprevistos

Na maioria dos casos o encontro com o ídolo é supostamente garantido com a compra do ingresso, mas é bom que os fãs se preparem para imprevistos. Além de não poder contar com o bom humor do artista sempre, outros fatores como atrasos e problemas das casas de shows podem acabar com o encontro.

Na passagem do grupo Backstreet Boys pelo Rio de Janeiro, as fãs que pagaram até US$500 (cerca de R$810) para assistir a passagem de som e tirar fotos com os ídolos ficaram frustradas quando às 21h foram avisadas de que o ensaio- marcado para às 17h- não aconteceria por problemas técnicos. A solução encontrada pelos organizadores do evento foi permitir que as fãs assistissem ao ensaio em São Paulo. Quem não pôde ir, teve que se contentar só com o show e em ter seu dinheiro de volta.

Anuidade

O grupo inglês McFly, queridinho das meninas, lançou em 2010 o site Super City em que através de diferentes tipos de assinaturas os fãs têm acesso a conteúdos exclusivos de bastidores, shows e até bate-papo com os integrantes da banda. Para quem quiser mais, eles oferecem a opção anual por US$60 (cerca de R$97) que garante um encontro com o grupo em algumas cidades por onde a turnê passar.

Os ingressos para os shows não estão incluídos e caso a sua cidade não esteja não no roteiro é preciso investir ainda em uma viagem. A banda Paramore faz um esquema similar no site de seu fã-clube oficial, mas com menos garantias. Os fãs que são membros e pagam a anuidade de US$30 podem ter a chance de conhecer a banda pessoalmente se comprarem o ingresso do show ainda na pré-venda e forem sorteados. 

Polêmica no Brasil

No Brasil, a banda Restart é talvez a única a adotar a prática. Para conhecer o grupo depois das apresentações, as fãs podem adquirir o que eles chamam de “Kit Camarim”, que, além do ingresso e de produtos oficiais, garante um encontro com os rapazes nos bastidores e fotos.

O valor varia e o guitarrista da banda, Pe Lu, disse que é cobrado dos fãs apenas o referente ao ingressos e aos produtos: “Não cobramos pelo nosso tempo ou pela visita em si”, disse em entrevista à revista “Época”. Ele também garante que pulseiras que dão acesso ao camarim são distribuídas para as pimeiras pessoas que chegarem nas casas de shows.

A iniciativa gerou polêmica e o cantor Tico Santa Cruz chegou a chamar os meninos de oportunistas: “Ver integrantes do Restart, fenômeno infanto-juvenil, cobrando ingresso de seus fãs para recebê-los no camarim foi o ápice pra mim. Isso é o mais puro oportunismo. Atitude de quem não dá valor nenhum aqueles que lhes consideram importante”.

Fonte/Crédito: Ego